Evitando a Candidíase

  • Especialista: Dra Naira Scartezzini Sena – Coordenadora de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital São Luis Anália Franco

  • Formação: Formada pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. Com residência em Ginecologia e Obstetrícia pela mesma renomada instituição e pós-graduação em Ginecologia Endócrina, Climatério e Infanto-Puberal pela UNIFESP

  • Atuação: Coordenadora de equipe de Ginecologia e Obstetrícia dos Hospitais: São Luis Anália Franco e Hospital Estadual Vila Alpina

Dica: Evitando a Candidíase

Mais comum no verão, a candidíase é uma infecção causada por fungos, sendo o mais frequente deles a Candida albicans. Apesar de poder acontecer durante o ano todo, nesta estação o calor constante poder resultar no abafamento da região genital. Além disso, a maior frequência em praias e piscinas intensifica o risco, devido à permanência com roupas de banho úmidas.

Segundo a Dra. Naira Scartezzini Senna, Coordenadora da Equipe de Ginecologia e Obstetrícia do Hospital e Maternidade São Luiz Anália Franco, a candidíase pode acometer homens e mulheres, atacando principalmente as regiões genital, inguinal ou perianal. Porém, ela não é considerada uma doença sexualmente transmissível.

“Nossa flora genital natural é composta por fungos e bactérias que vivem em equilíbrio, nos protegendo de infecções. Porém, situações como calor excessivo, umidade e abafamento podem promover um desequilíbrio desta flora e criar oportunidades para o aumento da população de fungos”, esclarece a especialista.

Os sintomas mais clássicos são coceira na região genital e saída de secreção branca e espessa pela vagina. Também pode surgir ardência ao urinar e dores na relação sexual.

“O diagnóstico é clínico e pode ser feito em um simples exame ginecológico, onde o médico verificará a presença de vermelhidão nos genitais e acúmulo de secreção característica da infecção por fungos”, diz a médica.

Cuidados de higiene íntima são essenciais para diminuir o desequilíbrio da flora genital e reduzindo as chances de multiplicação dos fungos na região. A Dra. Naira dá algumas dicas:

Absorventes diários são vilões no combate aos fungos, pois aumentam a temperatura da região íntima e promovem abafamento com aumento da umidade. Protetores diários devem ser usados apenas durante a menstruação ou em situações específicas.

Sabonetes líquidos íntimos poder ser usados, por serem cosméticos formulados especificamente para a região genital, com pH muito próximo ao natural e sem perfumes ou corantes agressivos à vulva.

A roupa de banho deve ser trocada com regularidade. Não permaneça com biquínis ou maiôs úmidos por muitas horas.

A roupa íntima deve ser bem lavada e seca. Evite pendurar e secar calcinhas no banheiro. Por ser um ambiente pouco arejado, a roupa pode ficar úmida e se tornar um ambiente propício ao fungo.

E você? Já agendou a sua consulta hoje?

Estamos te esperando!

Matterclin - Saúde da Mulher

Tel: 011-2597 1361 ou 011-99013 7981 (Whatzapp)

http://www.matterclin.com.br/agendamento

#gestação #ginecologia #obstetra #prenatal #mulher

Posts Em Destaque
Posts Recentes